Troço ÉVORA – ÉVORA NORTE em debate no Grupo Pro-Évora

 

Encontra-se a decorrer, até ao dia 14 do corrente mês de Maio, a Consulta Pública do Estudo de Impacte Ambiental referente ao projeto da "Ligação Ferroviária entre Évora e Évora Norte – Variante de Évora". Em Maio de 2016, o Grupo Pro-Évora reclamava, em comunicado, a realização deste estudo, que não estava previsto, considerando que se encontravam em causa «o património ambiental, o património paisagístico e o seu valor mais relevante, que são as pessoas e a vivência da cidade no seu todo».

 

Com os objectivos de proporcionar aos eborenses a análise pública do referido estudo de impacte ambiental e de ajudar a fundamentar a posição que o Grupo Pro-Évora pretende apresentar à Agência Portuguesa do Ambiente, no âmbito da mencionada Consulta Pública, irá decorrer, na sede do Grupo, na Rua do Salvador, 1, um debate sobre o tema, aberto a todos os interessados, no dia 10, quinta-feira, pelas 21 horas. A apresentação será feita pelo professor José Manuel Caetano.

 

Esta iniciativa integra-se nas Conversas d’Évora, encontros abertos de reflexão e debate sobre questões patrimoniais, que o Grupo pretende realizar periodicamente.

 

 

Conversa com Álvaro Domingues

 

O geógrafo Álvaro Domingues vai estar em Évora no próximo dia 8, terça-feira, para conversar sobre o seu último livro - Volta a Portugal. Dedicando boa parte do seu trabalho às transformações recentes da sociedade e do território do nosso país, o seu olhar e a sua análise constituem um importante contributo crítico – e irónico – para a caracterização da realidade portuguesa.

 

A conversa, aberta a todos os interessados, decorrerá no Anfiteatro 3 do Colégio Luís António de Verney, pelas 18 horas. Numa organização conjunta da Associação de Solidariedade Social dos Professores, da Livraria Fonte de Letras, do Grupo Pro-Évora e do Centro de História de Arte e Investigação Artística - CHAIA da Universidade de Évora, a apresentação da obra estará a cargo da professora Aurora Carapinha.

 

Para Álvaro Domingues, professor associado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, «não são só a sociedade e o território que mudam – as geografias mentais de Portugal e as suas memórias colectivas encontram-se em profunda transformação».

 

O Alentejo merece-lhe a atenção. Afirma, entre outras considerações, que «nas últimas décadas as mudanças foram vertiginosas e contraditórias com o final do longo ciclo do trigo e a entrada veloz da vinha, da oliveira e de um leque variado de culturas regadas e novidades tão inesperadas quanto a produção de papoilas para a extração de ópio (do povo?). Finalmente, o projecto de rega do Alqueva cumpria a miragem do grande lago e trouxe os investidores internacionais do agro-negócio, o fresquíssimo nome da agricultura. Fala-se novamente nos minérios e na grandeza industrial e portuária de Sines, o Complexo, como lhe chamaram aquando do baptismo. No entanto, o despovoamento continua com o aprofundamento do envelhecimento e a concentração demográfica nas principais cidades e vilas. Na agricultura trabalha gente do Brasil, da Roménia, da Ucrânia, da Moldávia, da China, do Nepal e de outros orientes. São os novos ratinhos do trabalho sazonal. Escravos do campo regado em tempos de globalização». A conversa promete…

 

 

Oficina de criação de mapas da vida na cidade

MAPAS QUOTIDIANOS
Da relação banal entre Homem e Arquitectura

 

A partir do material de arquivo do Grupo Pro-Évora e da exploração do território, vamos desenhar o NOVO MAPA QUOTIDIANO da cidade de Évora.

Nos três dias de oficina, vamos percorrer a cidade sobre mapas e identificar os caminhos diários da nossa história.

 

Cartografemos…
…O passar a fronteira da porta, trespassar do exterior para o interior…
…Os novos e velhos sentidos da muralha, os limites defensivos, os novos jardins ou mercados…
…As ruas que relembramos ou as sombras que escolhemos…
…Os monumentos que escolheram os pontos mais altos das cidades para serem vistos…
…Ou as coisas minúsculas que só a nós importam. Vamos traçar a cartografia como quem escreve uma carta de amor aos percursos do dia-a-dia, às memórias colectivas, à arquitectura, à história, ao património.

O material utilizado e produzido durante a oficina será depois apresentado numa exposição na sede do Grupo Pro - Évora.

 

Orientação da Arquitecta Rita Catarino.

 

Actividade produzida pela Associação Pó de Vir a Ser e pelo Grupo Pro-Évora, em parceria com a Câmara Municipal de Évora.

Aberto a todos os participantes interessados, famílias e crianças.

 

INSCRIÇÃO GRATUITA

Inscrições via email para: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 


PROGRAMA

HORÁRIO: das 10h às 12h30 e das 14h30 às 16h30.

 

12 Maio, Sábado

LOCAL: Sede do Grupo Pro-Évora

Reconhecimento e breve conversa sobre os percursos diários e a cidade de Évora e sobre bibliografia exposta e outra trazida pelos participantes. Memórias pessoais e a cidade:

Que quotidianos Évora oferece? O que é que as transformações urbanas trouxeram à nossa vida? Primeiros apontamentos cartográficos dos elementos marcantes.

 

13 Maio, Domingo

LOCAL: Antigo Matadouro Municipal de Évora (Associação Pó de Vir a Ser - Departamento de Escultura em Pedra)

Percurso pelos locais registados com sessão de desenho “in situ” e narração de alguns factos vividos e sentidos.

 

20 Maio, Domingo

LOCAL: Sede do Grupo Pro-Évora

Elaboração de Mapas (cartografia e história pessoal e de grupo sobre o património quotidiano).

 

 

"Guia de Escultura da Cidade de Évora"

imageEsta edição bilingue (português/inglês) localiza e identifica cerca de 50 esculturas públicas. Com fotografias de Paulo Nuno Silva, mapas, fichas técnicas e textos introdutórios de Maria do Mar Fazenda, são propostos três percursos temáticos - Percurso Evocativo, Percurso Simpósio ’81 e Percurso (Re)Pensar a Cidade – que dão visibilidade e leitura às peças instaladas na cidade.

Este livro está disponível nas seguintes livrarias da cidade: Nazareth, D. Pepe, Salesianos e Fonte de Letras.

"Pela Biblioteca Pública"

imageRemonta a 1992 a intenção declarada, por parte dos responsáveis pela cultura em Portugal, de dividir a Biblioteca Pública de Évora, uma das mais notáveis do pais. Desde logo o Grupo Pro-Évora iniciou uma campanha de defesa desta instituição, a semelhança do que fizera aquando da sua fundação.
de Celestino Froes David e Marcial Rodrigues



© 2011 - Grupo Pro-Évora - Todos os direitos reservados | Powered by