As Primeiras Sociedades Camponesas no Alentejo Central - O que nos diz a Arqueologia

 

Na próxima quinta-feira, dia 28 do corrente mês, na sede do Grupo Pro-Évora (Rua do Salvador, 1), pelas 18 horas, a Professora Leonor Rocha irá conversar sobre As Primeiras Sociedades Camponesas no Alentejo Central.

"Se no final não contar uma história, a Arqueologia não serve para nada" – a partir deste título, retirado de uma notícia de jornal (Público, 3/12/2017), ir-se-á falar de monumentos, sítios e paisagens da região de Évora, território de investigação da oradora.

O conhecimento que actualmente temos das Primeiras Sociedades Camponesas, no Alentejo Central, tem vindo a alterar-se nas últimas décadas devido aos numerosos trabalhos arqueológicos realizados, quer através de medidas de minimização de impactes, quer através de projetos de investigação. Pretende-se aqui falar de sítios, monumentos e artefactos… do mundo dos vivos, mas também dos mortos, perceber as preferências das populações que habitaram este território há cerca de 5 mil anos – em suma, contar a sua história a partir dos elementos que conseguimos recuperar nos trabalhos arqueológicos realizados.

Leonor Rocha é docente de Arqueologia da Universidade de Évora e investigadora do Centro de Estudos em Arte, Arqueologia e Ciências do Património - CEAACP. A sua investigação tem-se centrado em torno das origens e evolução das Primeiras Sociedades Camponesas no Alentejo Central. Tem actualmente trabalhos de investigação nos concelhos de Arraiolos, Évora, Monforte e Mora.

A iniciativa, aberta a todos os interessados, integra-se no ciclo Conversas d’Évora, que o GPE organiza.

 

 

AddThis Social Bookmark Button